Quem é o Eterno?

“O Eterno te abençoe e te guarde! O Eterno te mostre a Sua Face e conceda-te Sua graça! O Eterno volva o Seu Rosto para ti e te dê a paz!”

(Bamidbar/Números, 6:22-26)

Com essa benção, o Sumo-Sacerdote Aaron, da Ordem Levítica, abençoava o Povo!

É uma benção profética, uma Promessa, porque viria o Sumo-Sacerdote da Ordem de Malkitsédek – a Ordem do Espírito –, perfeita, para dar “ cumprimento” a essa benção. Este Sumo-Sacerdote é o Messias, Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo, o Templo Vivo!

O Eterno não é homem. Assim, não tem face, nem rosto. A benção significa, em verdade, o Espírito Eterno entrar em cada um que é templo vivo: esta é a Graça e a Paz! Ser um com o Pai! Isto é o que Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo veio “aperfeiçoar”!

O Eterno é “Poder”, que você vivencia no espírito (partícula do Espírito Eterno). É na manifestação desse Poder que você, dentro, vivencia a Sua Presença, “ouve” a Sua Voz, silenciosa. Isso ocorre dentro de você, o templo que Ele dirige, onde o Eterno opera e habita. Somente assim, forma-se o “ eu e o Pai somos Um”: esta é a Porta que Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo, o Messias, nos abriu. Eis o “viver na Graça”!

Nada, nem ninguém de fora poderá substituir, dentro de você, esse “beber de Sua Fonte”, na união com o Poder.

Segue em Silêncio.

O “Mistério” citado por Shaul, em Efésios, 2:22, e 3:3.4.5. e 9, é a experiência na Graça. O Eterno é o “Todo” em que tudo e todos são criados; finitos gerados do Poder – a Vida!

Por isso, o Eterno não tem Nome, é o SER (Espírito) – o Eu Sou! – que nos é revelado nessa experiência vivenciada do “ eu e o Pai somos Um”: a “Graça”.

Por esse motivo, o terceiro Ensinamento – “Não se deve falar no Sagrado em vão” – não se refere à menção de um Nome, mas ao que Ele é! Não se pode usá-Lo como referência vulgar, a todo instante (“oh, meu Deus, que horror!”, ou “meu Deus, isso ou aquilo!”).

Iaurrushua ben David ben Avraham Vivo nos abriu a Porta para “provarmos” a Graça, que não é uma palavra, é uma vivência!

A Graça é vivenciar a Presença do Eterno em nós !

Por isso, o Eterno não se define, não se explica, não se discute, não se estuda, não se pesquisa, não se transmite.

É uma vivência do Eterno dentro de nós!